EMPRESA

A FEDERAÇÃO E SUA ORGANIZAÇÃO

- A Federação das Cooperativas de Energia e Desenvolvimento Rural de Santa Catarina – FECOERUSC, beneficia com energia elétrica, através das suas 22 filiadas, 171.000 propriedades catarinenses, atendendo uma população de cerca de 650.000 usuários;
- As Cooperativas são responsáveis pela operação e manutenção de cerca de 22.000 Km de redes;
- O que fazem: Elas projetam, constroem e mantém o sistema elétrico em suas respectivas áreas de ação;
- Como atividades complementares atuam: Setor Comercial – Venda de eletrodomésticos, materiais de construção e instalações; Setor Industrial – Produção de artefatos de cimento para galpões, ginásios, postes, cruzetas, etc. Algumas cooperativas com área de ação já atendidas partiram para outras atividades como: Captação de água, irrigação e na área agrícola, transformando-se em Cooperativas Mistas.

OBJETIVOS:


A FECOERUSC, tem por objetivo a congregação de esforços e recursos visando defender os múltiplos interesses das filiadas dentre os quais:
1 – Orientar e apoiar as Cooperativas na regulamentação junto a ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica – como Permissionária de Serviços Públicos de Eletricidade com o advento da Lei 9.074 e Resolução no. 012/2002; Atuando em três áreas distintas: - Jurídica – Contábil e Técnica;
2 – Promover reuniões periódicas para troca de informações e aperfeiçoamento;
3 – Apoiar e viabilizar a geração de energia elétrica pela CER’s ou em parcerias;
4 – Melhorar qualidade dos serviços: Incentivando as Cooperativas a fazerem manutenção preventiva do sistema; Utilizar novas tecnologias; e desenvolver os Recursos Humanos.
5 – Divulgar o sistema Cooperativista de Energia e Desenvolvimento nos principais meios de comunicação;
6 – Promover e apoiar encontros de Cooperativas que visam a integração.
7 – Participar no âmbito externo, dos agentes que interessam ao sistema.


SERVIÇOS:


- Assistência nas áreas de: - Cooperativismo – Legislação sobre energia elétrica e outras afins.
- Oficina de Assistência Técnica (filial) de recuperação de transformadores, medidores e motores;
- Banco de Dados com informações sobre: energia elétrica, índices econômicos-financeiro com finalidades de gestão;
- Treinamento dos dirigentes e técnicos objetivando a melhorar a gestão e a qualidade dos serviços prestados.

Meta: Preparar as Cooperativas filiadas, com eficiência, qualidade para enfrentar a competição num mercado tão complexo como o Setor Elétrico.

Cooperativismo de Energia e Desenvolvimento Rural de Santa Catarina


Presença Histórica:

O Cooperativismo tem sido parceiro e agente de desenvolvimento econômico e social de Santa Catarina. Desde a implantação da 1ª cooperativa em 27/01/59, no então distrito de Forquilhinha, esteve intimamente ligado aos programas do Governo.
Como a concessionária estatal não tinha a mínima condição de atendimento no começo da década de 60, foi criado a 1ª entidade governamental, encarregada da ele-trificação rural – Companhia Estadual de Energia Elétrica - CEEE.
O Governo se valeu do Cooperativismo como instrumento para captar os re-cursos e executar os projetos de eletrificação rural. Com a facilidade de obtenção de recursos externos, criou através da Lei No. 4.824 de 16/01/73, a Eletrificação Rural de Santa Catarina – ERUSC, que foi efetivamente constituída em abril de 1975.
A união das cooperativas e a crescente necessidade de ser organizarem e de interagir com as Empresas Públicas, ERUSC, Concessionária e Agentes financeiros etc. Criou-se em 25/11/73, a Federação das Cooperativas de Eletrificação Rural de Santa Catarina - FECOERUSC.


A Expansão:


A grande expansão da Eletrificação Rural em Santa Catarina, se deu na 2ª metade da década de 70 e início dos anos 80.
O objetivo maior foi o atendimento social, a expansão não levou em consideração a viabilidade econômica e operacional. Com reflexos no baixo consumo de energia, quer pela distribuição geográfica, quer pela inexistência de hábitos de consumo de energia e pelo próprio estágio sócio cultural da população.
As Cooperativas pagaram um alto preço, tendo que praticar rateio de custos superiores ao da Concessionária em decorrência de manter sistemas elétricos sem a mínima viabilidade técnica e econômica.
Com isto, as nossas lideranças não querendo onerar ainda mais os rurícolas, que já contribuíram na implantação das redes, optaram por transferir parte dos sistemas elétricos a Concessionária Estadual, que praticava uma tarifa com subsídios, à classe rural.
Das 39 (trinta e nove) existentes, transferiu-se 17 (dezessete). Aproximada-mente 16,5 mil Kms de Redes e 50 mil usuários.

 

PRESENÇA DO COOPERATIVISMO NA ELETRIFICAÇÃO
RURAL EM SANTA CATARINA

 

O Cooperativismo de energia elétrica, faz parte da história da Eletrificação Rural em Santa Catarina nos últimos 50 anos.
Atua em parceria com o Governo, Concessionária, Órgãos Federais, e as comunidades que necessitam do benefício.
Este esforço conjunto possibilitou sermos o Estado com maior índice de eletrificação rural no País (98%) das propriedades energizadas.

Cooperação: o diferencial do 3º Milênio.

Missão da FECOERUSC


Representar e fortalecer as 22 filiadas para atuarem competitivamente no mercado energético, promovendo a satisfação dos cooperantes, colaboradores e dirigentes, contribuindo para o desenvolvimento e bem estar da Sociedade.


Responsabilidade Social

O sistema FECOERUSC, através das 22 filiadas atendendo a uma população de cerca de 650 mil no estado, tem se destacado por viabilizar o social através do econômico e em muitas situações, complementado as ações do Setor Público.
Foi parceiro em levar energia elétrica, a maioria das propriedade rurais, insumo básico de produção e bem estar a sociedade (SC cerca de 98% eletrificado).
Neste contexto, a responsabilidade social das cooperativas não se restringe a apoios a projetos sociais e culturais.
Trata-se de um engajamento nas comunidades com responsabilidade e ética em todas as relações, com cooperantes, colaboradores, comunidades, parceiros e Governo.


Principais ações desenvolvidas

* Educação – Oferecendo bolsas de estudos para os colaboradores e filhos de cooperantes;
* Saúde – Assistência médica, odontológica e hospitalar;
* Auxílios – Pecúlios morte;
* Incentivo a cultura e ao esporte – Com contribuição para entidades educacionais e culturais;
* Outros benefícios – Comunicação através da mídia; Apoio a campanhas comunitárias. Difusão do cooperativismo nas escolas, associações, conselhos comunitários.